Método de tratamento

 

Uma das formas naturais de reprocessamento de memórias perturbadoras ocorre durante o sono REM. Nessa fase do sono o sonho permite ao indivíduo digerir suas experiências quotidianas. Pacientes traumatizados relatam dificuldades para iniciar o sono ou são despertados por pesadelos. Estes seriam sonhos incompletos, cujo conteúdo traumático bloquearia sistema de processamento do indivíduo.

Na psicoterapia com EMDR emprega-se um protocolo específico que visa à focalização dos diversos componentes da memória traumática. A estimulação bilateral alternada (visual – à semelhança do sono REM - auditiva ou táctil, dependendo do que o paciente preferir) parece activar o sistema nervoso parassimpático, auxiliando o indivíduo a dessensibilizar e integrar rapidamente a memória perturbadora.

Esse resultado permite uma nova visualização do problema (reprocessamento), decorrente da reactivação das regiões cognitivas do paciente. Em vez do pensamento: ´A culpa foi minha!´, a pessoa pensa: 'Fiz o melhor que pude! Eu era pequeno(a)´.

Estudos pós-EMDR, feitos em intervalos de seis e 18 meses, indicam manutenção dos resultados alcançados durante o procedimento. Graças à elaboração de traumas, tem-se ampliado com êxito o escopo do EMDR, incluindo tratamento de depressão, disfunções sexuais, transtornos psicossomáticos, dores crônicas ou estratégias de coaching, aprimorando o desempenho de empresários e gerentes.